Foto: Reprodução/Barragem Mina Gongo Soco, Barão dos Cocais.
Edição: Samuel Oliver
 
     Na madruga desta sexta (8/2), 560 pessoas foram retiradas de suas casas como medida preventiva da Defesa Civil, após recomendação da Agência Nacional de Mineração. Sirenes foram acionadas para alertar a população para o risco de rompimento das barragens na mina Gongo Soco, em Barão de Cocais, e na mina Serra Azul, em Itatiaiuçu.

O Governo de Minas, por meio da Defesa Civil, e a Agência Nacional de Mineração preferiram evacuar os moradores da região como medida preventiva para preservar a vida de todos os mineiros que poderiam ser afetados em caso de um rompimento das estruturas.

Em Barão de Cocais, na barragem Sul Superior, da mina Gongo Soco, da mineradora Vale, cerca de 60 pessoas precisaram ser retiradas após o acionamento da sirene e foram levadas para um hotel em Itaúna. Já em Itatiaiuçu, mina Serra Azul, onde fica a comunidade de Pinheiros, foram mobilizados 500 moradores. Nos dois empreendimentos, a Defesa Civil do Estado constatou o nível 2 no risco de rompimento da barragem, sendo que o nível 3 significa o colapso.

O coordenador adjunto da Defesa Civil, coronel Flávio Godinho, está na mina Serra Azul, desde a madrugada desta sexta, e confirmou o risco de rompimento. “De madrugada, além de acionarmos a sirene, batemos de casa em casa para a evacuação. Constatamos o nível 2 de segurança e, para preservar a vida dos mineiros, o Governo do Estado optou em agir preventivamente”, afirmou.

Na mina da ArcelorMittal, na mina Serra Azul, a sirene não foi acionada, mas a saída dos moradores também foi definida como medida preventiva, já que a Defesa Civil e a Agência Nacional de Mineração constataram igualmente o nível 2 de risco de rompimento. Segundo o coronel Godinho, “as operações nas duas minas estão temporariamente suspensas e só retomarão as atividades após as empresas Vale e ArcelorMittal apresentarem os laudos comprovando a estabilidade das barragens. Mais informações a qualquer momento