Repórter Manoel Freitas
Edição/Apuração: Silvana Miranda
 
 
Nesta sexta-feira, a mineradora Vale compareceu ao Ministério Público do Trabalho, em Belo Horizonte, para reunião de negociação  visando discutir parâmetros de indenização dos trabalhadores falecidos em decorrência do rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho.
 
A empresa apresentou proposta contemplando vários pontos, entre os quais a garantia de emprego ou salário para seus empregados até 31/12/2019. Para fins de acordo imediato, propôs um pagamento mensal correspondente a 2/3 de 1 salário mensal líquido do trabalhador até a data em que ele completaria 75 anos.
 
 
Outro acordo importante diz respeito aos danos morais: os parentes mais próximos serão contemplados, da seguinte forma:
 
. Cônjuges ou companheiras(os): R$ 300 mil; filhos, R$ 300 mil para cada um; pai e mãe: R$ 150 mil para cada um e irmãos: R$ 75 mil para cada um.
 
Além disso, a empresa responsável pelo rompimento da barragem de Brumadinho assumiu o compromisso de arcar com plano médico para os familiares dos trabalhadores próprios e terceirizados, no regime de credenciamento, com abrangência em todo o Estado de Minas Gerais, sendo vitalício para as viúvas(os) ou companheiras(os) e até 22 anos para os dependentes.
 
Esses compromissos são independentes da doação de R$ 100 mil que já está sendo paga pela Vale.
Após a reunião com o  MPT e considerando que as negociações estão em andamento,  a Vale assumiu publicamente o compromisso de cumprir de imediato:
 
  . Garantia de emprego ou salário e plano médico, atendimento psicológico aos trabalhadores até a alta médica.
 
  . Auxílio-creche de R$ 920,00 considerando os filhos de trabalhadores de até 3 anos.
 
 . Auxílio-educação R$ 998,00 para filhos de trabalhadores até a data em que completarão 18 anos.