Foto: Reprodução Redes Sociais
Por Sam Oliver
 
      Em seu primeiro ato, o novo governador do estado de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), desligou servidores comissionados do governo do Estado em cerca de 33 setores. O governador assinou o decreto que permite a exoneração, ou seja, o desligamento dos profissionais.
 
De acordo com a assessoria do governador recém empossado, os profissionais que foram desligados de seus cargos podem sofrer sim exoneração devido os seus cargos serem de recrutamento amplo, nomeados livremente pelo executivo estadual e da mesma forma podem ser afastados normalmente.A decisão afasta não somente funcionários que foram eleitos dessa forma, mas também aqueles que foram realocados para os cargos que empossavam.
 
Sairão funcionários de vários setores, entre eles as polícias Civil e Militar, o Corpo de Bombeiros, as fundações Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), Ezequiel Dias (Funed) e Centro de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Minas Gerais (hemominas), entre outros.
 
Romeu Zema adotará um novo modelo de gestão para que uma nova fase do Governo seja instaurada. A decisão é amplamente apoiada por outros parlamentares, porém nem todos concordam com a decisão, como o novo secretário de Planejamento e Gestão de Minas Gerais, Otto Levy, que criticou os desligamentos e afirma que a decisão atrapalhará o início da nova gestão.
 
A decisão entra na nova fase do governo do Estado em que o novo governador cortará gastos e fará “sacrifícios” para que, segundo ele, o estado de Minas Gerais seja reconstruído.